Marcelo Jiran

Compositor, orquestrador, regente, arranjador, pianista, multi-instrumentista e produtor musical/fonográfico. 

Mineiro, de Belo Horizonte.
Nasceu no dia 1º de Janeiro de 1985.
 
Inicialização musical (autodidata) aos três anos de idade.
Profissionalização musical aos quinze anos de idade.
 
Apreciação musical: aos 8 anos, com Glaura Lucas (duração: um ano).

Apreciação musical: aos 17 anos, com Kleinny Kacilah Bok (duração: seis meses).

Teoria Geral da Música: aos 18 anos, no Curso de Extensão da Universidade Federal de Minas Gerais (duração: seis módulos – curso completo).

Prática do instrumento (Piano): aos 18 anos, no curso de Extensão da Universidade Federal de Minas Gerais, com Lucas Bretas (duração: um mês – curso incompleto).

Licenciatura em Piano: aos 19 anos, na Universidade Estadual de Minas Gerais, com Rodrigo Miranda (duração: um ano – curso incompleto).

Bacharelado em Piano: aos 20 anos, na Universidade Estadual de Minas Gerais, com Carla Reis (duração: três meses – curso incompleto).

Curso de Luteria com o Luthier espanhol Carlos Juan Busquiel.
 
Experiência em incontáveis rodas de Choro, bailes, turnês, “diálogos musicais” (em amplos aspectos), composições, orquestrações (para formações sinfônicas e camerísticas), arranjos (para formações populares), gravações, produções musicais e fonográficas.
 
Tocou com inúmeros funcionários da arte.
 
Difunde a música instrumental autoral e universal em suas redes sociais.
 
Presidiu o Clube do Choro de Belo Horizonte em 2011.

Nomeado ao Grammy Latino 2020 junto de Yamandu Costa, com o álbum “Festejo”.
 
Instrumentos tocados com maior fluência:
Piano, Bandolim e Saxofone.
 
Instrumentos usualmente tocados em gravações, além dos mencionados acima:
Teclados, Acordeon, Violões de 6 (Aço e Nylon) e de 7 cordas, Cavaquinho, Saxofones Soprano e Tenor, Clarineta, Flautas Transversa e Doce, Viola Caipira, Baixo Elétrico, Guitarra, Bateria, Escaleta, Xilofone e vasta Percussão (Pandeiros  [Couro e Nylon], Shaker, Surdo, Timba, Reco-reco, Triângulo, Zabumba, Congas, Cuíca, Caxixi, Ganzá, Caixa de Folia, Bongô, Tantan, Agogô, Castanholas e tudo em que se pode produzir som percussivo, como catálogos telefônicos, conchinhas, talheres, etc...).